“Todo produto do ser humano, objeto ou ação, é consequência de uma forma interior que o impulsiona (sentimento, cálculo, intenção).” “O viver é consequência da estabilidade e, de uma medida. A falta total de forma mental é quase um suicídio”. Júlia Saló.

Amassar a terra - dar-lhe forma - são gestos primitivos que influem consideravelmente na coordenação de todos os movimentos. A criança ao trabalhar com o barro tem condições de dominá-lo, libertando assim, as suas tensões, caprichos, fadigas e depressões, pois, este material vivo que, a criança pode expressar os sentimentos mais diversos, elaborá-los e, o barro ser uma ferramenta importante, disciplinador das ansiedades, condutor do equilíbrio das ansiedades e do equilíbrio entre a ira e a euforia, proporcionando saídas simbólicas.
A modelagem é um dos meios de preparação para a expressão do pensamento, porque o movimento das mãos, dos dedos, pouco a pouco, se submete aos impulsos íntimos e estes, ao processo ideativo. O que a palavra não conseguir exprimir, o movimento, a forma, o volume, o gesto, trazem a linguagem viva do mundo interior, refletindo na construção do caráter, do temperamento, auxiliando impressões da personalidade.
Modelando o barro aprendem a trabalhar com os volumes, cálculos, conjuntos, ordenação, classificação, além das interelações pessoais que se configuram essenciais na dinâmica social, a criança cresce e amadurece interiormente, se torna criativa, situando distâncias, ajustando desta forma seu mecanismo visual para a percepção do mundo que a cerca, se envolvendo em um mundo de aprendizagens culturais e criativas.